quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Não sei quantas almas tenho



Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa

4 comentários:

  1. Olá amigo Emanuel
    Uma escolha belíssima. Fernando Pessoa é um ícone da literatura.
    Não nos conhecemos... vivemos! Quem sabe de nós é Deus que nos criou. Somos seus filhos e só ele nos conhece verdadeiramente
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Bom dia meu querido amigo
    Nunca te sintas em solidão...
    O afago de uma planta,
    o perfume de uma flor,
    o carinho de uma amizade
    são companhias agradabilíssimas
    que estabelecem perfeita sintonia
    com o divino Ato da Criação.
    Ninguém está só quando usufrui
    a presença das criaturas de Deus.
    Um domingo abençoado,
    Pleno de harmonia e paz.
    Beijos no coração
    Gracita

    ResponderExcluir
  3. Padrinho Amado..
    Linda musica porém triste hoje se pudesse gritaria ao mundo a dor que estou sentindo .Que o Pai Celestial abençoe nossas vidas ,
    e vou tentar seguir em frente , pois sei que tenho vc ao meu lado.
    E mesmo distante suas mãos segura a minhas nesse momento supremo.
    Vou te amar sempre Padrinho.

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema amei!!
    Com tão bela melodia
    por aqui eu voltarei...
    Obrigada, por esta beleza.
    Luisa fernandes
    http://poemasdaminhalma.blogspot.pt/

    ResponderExcluir